Como escolher um perfume

Mulher com perfume

Os perfumes são como as nossas cores e acessórios preferidos, usamo-los conforme a estação do ano e o estado de espírito. Parte integrante de quem somos, associamos muitas vezes um certo perfume a uma pessoa específica, até porque o olfacto é dos sentidos mais poderosos, capazes de nos fazer lembrar momentos e emoções que pensávamos esquecidas! Acima de tudo, perfumamos o corpo porque é um acto de prazer…para nós e para os outros! Por isso, saiba como escolher bem o seu próximo perfume.

  • A altura ideal para experimentar um novo perfume é de manhã, quando o olfacto está mais apurado. Em contrapartida, evite escolher perfumes imediatamente depois de ter estado em ambientes com fumo ou com múltiplos cheiros, caso de restaurantes, floristas e hospitais, ou seja, locais com odores muito fortes.
  • Evite seleccionar ou adquirir perfumes se estiver grávida. Numa fase em que o corpo feminino está a ser alvo de inúmeras alterações hormonais, fica a saber que as percepções olfactivas são das mais afectadas.
  • Não compre um perfume apenas porque foi assinado pela Jennifer Lopez ou pelo António Banderas ou porque as revistas o aclamam como sendo o perfume do ano! Isto também se aplica a outras situações: nunca compre um perfume porque adorou cheirá-lo quando a sua melhor amiga o usou ou então porque cheirou o perfume no frasco e achou que era mesmo esse! Tal como experimenta uma peça de roupa, também um perfume tem de ser testado em si.
  • As tiras de papel que a maioria das perfumarias disponibiliza para testar os diferentes aromas fazem-no porque é prático. Porém, para sentir a verdadeira essência de qualquer perfume e ter a certeza que combina consigo, tem de o aplicar directamente na pele. Por isso, se sabe que vai experimentar perfumes, não coloque nenhum em casa antes de sair!
  • Quando aplicado na nossa pele, um perfume transforma-se porque desencadeia uma reacção química entre a transpiração, as moléculas aromáticas, a oleosidade e o PH da epiderme. O resultado? O perfume ganha uma nova e exclusiva identidade, o que significa que aquele que gostou tanto de cheirar noutra pessoa pode não gostar em si ou vice-versa!
  • Os especialistas na matéria aconselham ainda o seguinte: não se deixe levar por primeiras impressões, neste caso inspirações! Cada perfume tem três notas: a elevada, que é a primeira a evaporar-se; a média, que se desenvolve mais tarde; e a nota baixa, que encerra a verdadeira fragrância. Isto significa que é importante deixar actuar os perfumes antes de fazer uma escolha definitiva. A não ser que vá passar várias horas na perfumaria, o melhor é pedir algumas amostras daqueles perfumes que, à partida, lhe agradam mais, e levar para casa para experimentar com mais tempo.
  • O nosso nariz só consegue registar, eficaz e seguidamente, dois a três aromas diferentes – depois disso o sentido de olfacto fica literalmente “baralhado” e já não conseguimos distinguir nenhum perfume. Se a isto juntarmos o facto de estarmos num ambiente super-perfumado…já perceberam, não já? Mais um motivo para levar consigo diferentes amostras e fazer uma escolha ponderada!
  • Quando aplicamos algumas gotas de perfume no corpo, a nossa tendência instintiva é para “espalhar” a fragrância, normalmente com os pulsos. Não o faça! Vai alterar a composição do perfume, ou seja, vai acabar por não sentir a sua verdadeira essência e pode pôr de lado uma fragrância que até poderia ser perfeita para si!
  • Os perfumes modificam ainda conforme as temperaturas a que estão expostos: um perfume é intensificado em ambientes com temperaturas altas e dura menos tempo; em ambientes frescos, a tendência é para os perfumes manterem-se activos durante mais tempo. Para além disso, o mesmo perfume pode emitir um aroma em casa e outro no escritório onde estiver a funcionar o ar condicionado – lá está, a influência do ambiente. Por isso mesmo, as colecções Outono/Inverno normalmente apresentam fragrâncias quentes e inebriantes, ao invés das colecções Primavera/Verão, onde dominam os aromas leves e frescos.
  • O sentido do olfacto é tão poderoso que é capaz de registar e arquivar milhares de aromas e odores, estimulando as recordações que estão directamente relacionadas a esses cheiros. Por isso, compre perfumes apenas quando estiver bem-disposto, para que estes fiquem associados a momentos bons!
  • Um perfume tem um prazo de validade de aproximadamente três anos depois de aberto, desde que mantido num local fresco e longe da exposição solar. Há quem recomende que os colognes e eau de toilette sejam guardados no frigorífico para prolongar a sua “esperança de vida”!
  • Compre um perfume porque o satisfaz, porque é um reflexo da sua personalidade, não porque é o mais caro da loja. Uma boa fragrância vale por si, não pelo preço da sua etiqueta.
  • Em caso de dúvida, peça ajuda aos funcionários da perfumaria e não tenha receio de explicar exactamente o que procura: “algo floral”, “que cheire a limão ou outros citrinos”, “sedutor” ou “intoxicante” – é essa a linguagem do maravilhoso mundo dos perfumes!
  • Descobriu o perfume da sua vida? Ainda bem! Mas não se limite a apenas esse! Existem milhares de fragrâncias sedutoras para experimentar… pense naquilo que estará a perder se usar sempre o mesmo! Embora ser fiel a um ou mais perfumes seja uma assinatura sua, pessoal e intransmissível, não deixe de experimentar aromas diferentes e use um perfume para o trabalho, outro para sair à noite, um para fim-de-semana e guarde um exclusivamente para ocasiões especiais…afinal não é isso que faz com o seu guarda-roupa e demais acessórios?
Licença: 
http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/
Classificação: